Fibromialgia: essa desconfortável doença da mulher

fibromialgia

A fibromialgia é uma doença de causa desconhecida, as estatísticas dizem que afeta de 5 a 10% das mulheres.

Quadro clínico: variado, pode se acompanhar de cansaço, distúrbios do sono, oscilações do humor e, principalmente, de dor, que muitas vezes a paciente não sabe caracterizar.

A dor: algumas vezes a mulher refere que a dor vai até a pele, em outras, diz que é como se estivesse com febrão, com dor muscular, articular, óssea, etc.

A intensidade dos sintomas não é a mesma nas pacientes e também, numa mesma mulher, tem fases com intensidade maior ou menor, sem que ela identifique o que ocasionou os períodos melhora ou piora. Por vezes sente-se tão fadigada, dolorida, que sair da cama é um martírio.

Pequenos estímulos dolorosos, como por exemplo, um pequeno esbarrão numa porta, que em pessoas não acometidas pela doença passam desapercebidos, são muitas vezes suficientes para desencadear episódio de dias de muita dor na mulher com fibromialgia, ou simplesmente fibro, conforme se tem usado.

Parece que o stress psíquico, o esforço físico exagerado e a ingestão de álcool também podem desencadear episódios de exacerbação da moléstia.

Causa desconforto o fato de não existir uma causa conhecida para a doença, ou exames laboratoriais que comprovem a sua existência e os sintomas não se acompanharem de qualquer alteração física visível para terceiros.

Fica sempre no ar uma certa sensação de que seja “xilique de mulher”, e não uma doença propriamente dita, quando na realidade a fibromialgia pode ter períodos incapacitantes !

Apesar de reconhecida como entidade médica nosológica, ainda hoje muitos médicos, por ignorância, dizem que é doença psicológica, pela característica de se agravar pelas circunstâncias de maior estresse.

Onde andam os “pesquisadores de plantão” que não encontram uma causa para essa doença, para facilitar a vida das fibromiálgicas?

As indicações terapêuticas medicamentosas têm sido inúmeras, como antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos comuns, etc, que pouco adiantam. Parece que o alongamento muscular realizado diariamente e a atividade física regular, sem exagero, promovem um certo alívio.

Períodos de repouso a qualquer momento durante o dia, podem ser bastante reconfortantes para ajudar na dor da fibromialgia.

Por: Dra. Luciana Nobile
Ginecologista e obstetra
Autora de Sexualidade na maturidade


Breves de Saúde

Somos da área da saúde, por isso falar de saúde é o nosso hobby. Encontre informações importantes de profissionais que estão no dia a dia ajudando pessoas a se prevenir e curar de doenças.

DEIXE SEU COMENTÁRIO